Personalização vs. Privacidade: Entendendo Anúncios Personalizados (PA) e Não Personalizados (NPA)

Nesta era digital, a publicidade online tornou-se uma ferramenta poderosa para os anunciantes alcançarem seus públicos-alvo de maneira mais eficaz e eficiente.

As estratégias de publicidade evoluíram para incluir anúncios personalizados e não personalizados, ambos com seus próprios benefícios e desafios. Entender a lógica por trás desses dois tipos de anúncios é crucial para otimizar as campanhas publicitárias online.

perosnal-advertizing-google

Anúncios Personalizados (PA)

Anúncios personalizados, anteriormente conhecidos como publicidade baseada em interesses, são uma ferramenta poderosa que melhora a relevância da publicidade para os usuários e aumenta o retorno sobre o investimento (ROI) para os anunciantes.

Eles são personalizados com base em dados previamente coletados ou históricos para determinar ou influenciar a seleção de anúncios. Isso inclui as pesquisas anteriores de um usuário, atividade, visitas a sites ou aplicativos, informações demográficas ou localização.

Por exemplo, se um usuário frequentemente visita sites de viagens e busca por voos para a Europa, o Google pode inferir que o usuário está interessado em viajar para a Europa.

Enquanto os anunciantes podem direcionar suas campanhas para este usuário com anúncios de pacotes de viagem para a Europa, aumentando a relevância do anúncio para o usuário e a probabilidade de conversão para o anunciante.

Anúncios Não Personalizados (NPA)

Por outro lado, os anúncios não personalizados não se baseiam no comportamento passado do usuário. Eles são direcionados usando informações contextuais, como a localização atual do usuário (nível de cidade, mas não CEP/código postal) e o conteúdo no site ou aplicativo atual ou os termos de pesquisa atuais.

Por exemplo, se um usuário está lendo um artigo sobre jardinagem, o Google pode exibir anúncios de ferramentas de jardinagem ou livros sobre jardinagem, independentemente do histórico de comportamento do usuário.

Os anúncios não personalizados, embora não usem cookies ou identificadores de anúncios móveis para direcionamento de anúncios, ainda os utilizam para controle de frequência, relatórios de anúncios agregados e para combater fraudes e abusos.

As solicitações de lance para anúncios não personalizados são marcadas com indicadores de privacidade, dependendo do motivo da veiculação. Por exemplo, no caso de um editor definir anúncios não personalizados (NPA) em países como o Brasil, a solicitação de lance incluirá “regs.lgpd=1” e “NonPersonalizedAdsReason.Publisher_Declared_NPA=1”.

No caso de um usuário optar por anúncios não personalizados no Espaço Econômico Europeu (EEE), Suíça ou Reino Unido, a solicitação de lance terá “regs.gdpr=1” e “NonPersonalizedAdsReason.User_Opt_Out=1”.

Importante destacar que os identificadores do usuário, como google_user_id e IDs de publicidade do dispositivo, serão removidos das solicitações de lance para anúncios não personalizados.

No entanto, outros indicadores utilizados para segmentação ou detecção de tráfego inválido, como user_agent ou endereço IP truncado, continuarão sendo enviados. Isso mantém a capacidade do sistema de mitigar fraudes e abusos, enquanto respeita a escolha do usuário de optar por anúncios não personalizados.

Escolhendo entre Anúncios Personalizados e Não Personalizados

A decisão entre usar anúncios personalizados ou não personalizados depende de uma série de fatores, incluindo a disponibilidade de dados do usuário, a relevância do anúncio, as regulamentações de privacidade locais e as preferências do usuário. Trata-se de encontrar o equilíbrio entre a personalização para aumentar a relevância e a conversão, e a não personalização para respeitar a privacidade do usuário e fornecer anúncios baseados em conteúdo relevante.

Por exemplo, em situações em que os dados do usuário estão disponíveis e a personalização pode aumentar significativamente a relevância dos anúncios (como no exemplo do usuário interessado em viagens para a Europa), os anúncios personalizados podem ser a melhor escolha.

No entanto, quando os dados do usuário não estão disponíveis, ou quando o usuário está em um local onde a coleta de dados pessoais é restrita por regulamentos de privacidade, como o Regulamento Geral de Proteção de Dados (GDPR) na União Europeia, os anúncios não personalizados podem ser mais apropriados.

Além disso, as plataformas de publicidade, como o Ad Manager do Google, fornecem ferramentas para os anunciantes gerenciarem suas configurações de anúncios personalizados e não personalizados. Isso permite que os anunciantes otimizem suas campanhas de acordo com suas necessidades específicas e de acordo com as leis e regulamentos aplicáveis.

Vale sempre lembrar que, independentemente do tipo de anúncio escolhido, a transparência e o respeito pela privacidade do usuário são fundamentais.

seo-inbound-marketing

Os anunciantes devem sempre obter o consentimento do usuário para usar cookies ou identificadores de anúncios móveis, quando legalmente exigido, e devem estar dispostos a cumprir as configurações de consentimento do usuário.

Portanto, entender a lógica por trás dos anúncios personalizados e não personalizados e sua implementação é crucial para otimizar as campanhas publicitárias online. Ambos têm seus benefícios e podem ser usados efetivamente em diferentes cenários, dependendo das necessidades específicas do anunciante e das preferências e privacidade do usuário.

A chave é encontrar o equilíbrio certo entre personalização e não personalização, mantendo sempre a transparência e o respeito pela privacidade do usuário.

A Importância da Otimização

Na otimização das campanhas publicitárias, a avaliação do desempenho é crucial. As métricas de acompanhamento podem variar dependendo do tipo de anúncio – personalizado ou não personalizado – e do objetivo da campanha.

Por exemplo, para anúncios personalizados, as métricas podem incluir a taxa de cliques (CTR), a taxa de conversão e o retorno sobre o investimento em publicidade (ROAS). Para anúncios não personalizados, as métricas podem se concentrar mais na visibilidade do anúncio e na taxa de engajamento.

As ferramentas de análise e relatórios das plataformas de publicidade, como o Google Ad Manager, podem fornecer insights valiosos para ajudar os anunciantes a otimizar suas campanhas. Estas ferramentas permitem aos anunciantes monitorar o desempenho das suas campanhas em tempo real, realizar testes A/B para comparar diferentes abordagens e ajustar suas estratégias com base nos resultados.

A otimização contínua é um elemento-chave da publicidade online eficaz. As tendências do mercado e do comportamento do usuário estão sempre mudando, e os anunciantes devem estar prontos para adaptar suas campanhas de acordo.

Isso pode incluir a experimentação com diferentes tipos de anúncios, a segmentação de diferentes grupos de público ou a alteração das mensagens do anúncio para melhorar a relevância e o engajamento.

Finalmente, embora a otimização seja essencial para maximizar a eficácia das campanhas publicitárias, os anunciantes também devem ter em mente a importância do cumprimento das normas de privacidade.

A coleta e o uso de dados do usuário devem ser sempre feitos de acordo com as leis e regulamentos aplicáveis, e os anunciantes devem ser transparentes com os usuários sobre como seus dados estão sendo usados.

Enfim, a publicidade online é um campo complexo que requer uma combinação de personalização, respeito à privacidade do usuário, e otimização contínua para ser eficaz.

Ao entender a lógica por trás dos anúncios personalizados e não personalizados, e ao utilizar as ferramentas e estratégias corretas, os anunciantes podem maximizar o sucesso de suas campanhas e alcançar seus objetivos de negócios.


Discover more from Integrare

Subscribe to get the latest posts to your email.


Leave a Reply